Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quando estou com amigas que conheço desde miúda, e com as quais vivi situações que já se passaram há imenso tempo, acaba sempre por haver uma altura em que alguém fala de alguma situação engraçada e todas elas se lembram de as coisas terem acontecido da forma como eu me lembro. Pode parecer algo extremamente banal, mas eu tenho uma imaginação muito fértil e tendência para começar a questionar as minhas memórias, e é nessa altura que eu tenho um momento "ah que bom, afinal isto aconteceu mesmo e não fui eu que inventei". E sinto-me mesmo bem, é giro perceber como mesmo que cada um tenha uma percepção individual das coisas, conseguimos ter esta espécie de memória colectiva.

Adoro as minhas "amigas-disco-externo"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

08
Jan14

Adolescência há 10 anos

por rainhadasucata

Em 2004 eu tinha 13/14 anos, e a nossa vida enquanto indivíduos nesta malfadada fase da vida era muito diferente daquilo que é hoje em dia. Todas as gerações acham que no seu tempo é que as coisas eram boas, mas na minha altura acho que foi particularmente interessante, porque crescemos em pleno "boom" da internet e, por isso, vimos nascer (e procriar e morrer) muitas das tendências tecnológicas que marcam a vida dos tempos modernos. Partilho então aqui algumas recordações desse tempo, que não é assim tão distante, mas às vezes parece, com que alguns se identificarão.

 

A minha internet veio dentro de uma mochila redonda de plástico colorido, e era da Netcabo (depois TVCabo, agora Zon);

Nem todos os meus amigos tinham internet, alguns iam tendo aos poucos e era sempre uma alegria;

 

Todas as funções que estão agora reunidas no Facebook, andavam espalhadas por uma série de programas, sites e plataformas:

Havia o MSN para teclar com os amigos, e o MSN Plus, um pluggin que adicionava mais algumas funções como cores e jogos;

Os nicknames no MSN eram quase sempre frases enormes. Depois ainda surgiu o sub-nick, com mais espaço ainda para informação desnecessária;

Havia o mIrc, para falar com os amigos e conhecer outras pessoas, uma coisa complicada e bem bem da idade da pedra (eu já comecei a usá-lo numa fase em que era menos mainstream, em plena era de esplendor do MSN, mas na verdade o seu aparecimento foi bem anterior a este);

Havia o Hi5, o mais parecido com o FB agora, mas sem os pais a andarem por lá;

Havia o Fotoblog, que era especialmente popular entre o pessoal de Chelas, Santo António dos Cavaleiros e Linha de Sintra (os chamados "chungas") e era uma mistura de fotografias, fotomontagens e textos onde se chamavam nomes e se faziam declarações de amor/amizade, sempre com alavras como kel e nhos e dama di gueto e comentários onde se faziam ameaças de morte - uma pequena maravilha;

Havia os chats do Aeiou e do Terravista que serviam para ir avacalhar sozinho ou entre amigos. E conhecer pessoas pervertidas, assustar-se e sair, ou não;

Havia os chats do teletexto.

 

Quem era fixe tinha um Nokia 3310, que ainda hoje é considerado por muitos como o melhor telemóvel de sempre. Dava para escrever sms à velocidade de 235 teclas por segundo, sem olhar, e era à prova de tudo;

Os telemóveis não tinham câmara, nem cores e aquilo que chamavam de "mensagem de imagem" era um conjunto de pixeis que apenas alguns (como o 3310) suportavam e era caríssimo de enviar, pelo que era uma coisa importante e de guardar para sempre;

Os telemóveis melhores e mais recentes eram sempre mais e mais pequenos;

Não havia Moche nem Xtreme. Não havia chamadas nem sms à borla, o mínimo eram 4cênt por sms, pelo que a maioria das comunicações com os amigos eram feitas por toques, e ai de quem atendesse, porque se andava sempre com saldo suficiente apenas para mandar toques. Às vezes era confuso, mas a malta desenrascava-se. Um toque do rapaz de quem gostavas equivalia a uma declaração de amor. Se eras a última a enviar, ficavas triste.

Assistimos, mais tarde, ao surgir dos telemóveis a cores - muito pobres e desmaiadas - e ao surgimento dos toques polifónicos, ou como eu e os meus amigos chamávamos, trolifónicos.

 

A internet no telemóvel começou por surgir como Wap, dava para ver o a meteorologia e pouco mais e ra muito raro, e nos que já tinham fugia-se a sete pés da tecla porque só servia para gastar dinheiro, portanto internet era em casa, e com sorte.

 

Consequentemente, quando estávamos juntos ainda estávamos realmente uns com os outros, não a tirar fotografias, não a ver as redes sociais nem a mostrar vídeos no Youtube. Se havia um sms para enviar, o envio não interferia na conversa porque desenvolvemos o dom do multitasking.

 

Acho que foi a última geração decente, a última cuja infância foi ainda passada na rua a brincar, sem os esterismos dos pais de hoje em dia. Fomos a primeira geração de jovens a crescer com estas coisas, mas ainda nos lembramos de como era tudo antes, sem elas, e por isso as recebemos a todas com espanto, mas sabemos que há outra vida para além da virtual. Não recebíamos o telemóvel ou o computador assim que pedíamos e muito menos sem ter pedido e merecido, exigir os presentes como as crianças fazem hoje em dia então, era impensável, logo aprendemos a dar mais valor às coisas e a apreciá-las melhor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Bloglove me

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D







Pesquisar

  Pesquisar no Blog