Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


29
Dez13

Será que é desta?

por rainhadasucata

Parece que este ano, e em estreia, vou finalmente passar o reveillon num sítio que não em minha casa ou de familiares. Há vários anos que insisto com o meu namorado para irmos para algum lado neste dia, mas nunca o consegui convencer, e no ano passado a coisa deu mesmo para o torto e quase que a conversa acabava com o namoro. Mas este ano vamos passar em casa de uns amigos, só 3 ou 4 casais. Ora não sendo uma festança de arromba num sítio chique, vai mais de encontro àquilo que é o nosso conceito de diversão do que ir para uma discoteca ou estar na rua (dizem que vai chover muito) com uma garrafa de champanhe na mão.

A verdade é que um "revelhão" em grande, uma festa assim de "arrebimba o malho" para recordar para o resto da vida como a melhor noite de sempre, foi coisa com que sempre sonhei, mas sinceramente agora já perdi um pouco essas expectativas.  Pode ser que aconteça agora, ou para o ano ou mesmo daqui a 20 ou 30 anos, ou nunca, que eu ainda espero estar cá para ver muitas vezes a contagem decrescente, e pessoas a subirem para cima de cadeiras com dinheiro nas mãos, e cuecas azuis, e a comer passas a fazer caretas (blhé, eu é com pinhões que a pessoa é fina) e a bater panelas (que, por outro lado, a pessoa vive nos subúrbios).

Neste momento, já só me apetece passar um bom bocado, rir-me um bocadinho e que não aconteçam desgraças, ou seja, que seja uma passagem de ano assim para lá de mais-ou-menos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

26
Dez13

Este ano fui uma menina má

por rainhadasucata

Não sou casada, não tenho filhos, sou (tecnicamente) filha única e ainda vivo em casa dos meus pais, tenho 24 anos. Ainda não estou preparada para deixar de ter natal, para passar a ser eu a comprar tudo a toda a gente e não receber nada de ninguém. Não estava no ano passado e não estava este ano, mas foi o que aconteceu. Não me parece justo. Como é que isto pode ser?

Será que eu me portei mal o ano inteiro? Fui uma menina má? Não, estive desempregada o ano inteiro mas andei sempre à procura, fiz curso da vida (in)activa mandado pelo centro de emprego, fiz todas as apresentações quinzenais, fui a uma mão cheia de entrevistas. Não fiz mal a ninguém, não me meti nos copos nem nas drogas, não traí o meu namorado, não fiz sexo anal. Comecei a fazer exercício, fui às compras de supermercado todas as semanas, ofereci lembranças quando viajei e presentes aos filhos das amigas. Aturei merdas de muita gente e tentei ao máximo que não tivessem que aturar as minhas.

"Ah o natal é para as crianças" mas quando é que eu deixei de ser criança, e porque raio ninguém me avisou? Tanta coisa na minha vida que está na mesma desde que eu era criança, inclusivé a minha altura, os meus pés e a minha cara. Ainda não posso fazer o que eu quero. Porque é que têm de me tirar já o natal?

O ano passado custou mais, este custou menos. Acredito que a partir de agora custe sempre menos um bocadinho. Mas é bem pior do que quando descobri que o Pai Natal não existe.

 

O que mais me lixa? As pessoas preocuparem-se mais com a obrigação de dar alguma coisa aos outros, aos de fora, "para não parecer mal", e fazer o brilharete com o dinheiro, o trabalho e a imaginação dos outros, e quem está cá em casa não interessar.

É tudo, por agora, para o ano há mais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

26
Dez13

"Digo eu"

por rainhadasucata

Há uma expressão muito característica da minha mãe, que origina normalmente algum gozo aqui em casa que é o "digo eu", expressão que segue por vezes alguma opinião ou comentário. Por exemplo: "É melhor irmos lá hoje que amanhã deve estar muito cheio. Digo eu, não sei". O "não sei" só aparece às vezes, mas a expressão anterior já o faz adivinhar.

Por muito que brinque com este trejeito, acredito que ele é o símbolo perfeito de um traço que a caracteriza e que me foi passado a mim também através da minha educação - e do qual muito me orgulho - que é a humildade. O dizer de sua justiça quando é necessário, mas ter a humildade de não se dar ares de certezas absolutas, deixar sempre um espaço em aberto para outras opiniões.

Muito me irritam as pessoas que, qualquer que seja o assunto, têm sempre uma sentença a ditar com um ar de absoluta certeza e superioridade. Que percebem sempre de tudo, e não só, percebem sempre mais do que os outros, e qualquer que seja a boca que se abre para dizer algo em contrário, vai gerar sempre uma contra-argumentação, mesmo quando não há necessidade.

O que me irrita mais ainda é quando o indivíduo não percebe um caracol do assunto de que se está a falar, mas ainda assim faz uma de duas coisas: ou alvitra algo como "isso não é bem assim", ainda que não faça a mais pálida ideia de como é ou deixa de ser; ou recorre à sua, bem, vamos chamar-lhe imaginação para mostrar que percebe. Para mim, enquanto pessoa que é muitas vezes acusada de ser "calada" como se isso fosse doença, é bem mais divertido ver estas pessoas a enterrarem-se no seu próprio discurso. Simplesmente pertenço aos raros seres que sabem que às vezes o silêncio é de ouro, e em boca calada não entra mosca, and so on. 

O que falta a esses indivíduos, é, meus senhores, humildade. Humildade para perceber e ouvir outras opiniões, humildade para se cingirem àquilo que sabem e aí sim, falarem com verdade e certeza (que é tão melhor), humildade sobretudo para admitirem que podem aprender, porque a sabedoria entra por ouvidos abertos, e não bocas. Mas numa tentativa tão desesperada de demonstrarem que não são ignorantes, só revelam toda a sua ignorância, e a da pior espécie que é a de quem não quer saber mais.

Mas isto digo eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É à bruta e sem grandes "ronhonhós" que chegam as músicas 22 e 23, numa edição dedicada aos amigos metaleiros. Porque este blog quer é variedade e as canções de natal não fogem à regra.

Primeiro, Corey Taylor (és lindoooo), o vocalista de Slipknot, a transmitir na perfeição o sentimento daqueles que andam ainda às compras a esta altura do campeonato:

 

Corey Taylor - X-M@$

 

E depois os "oldie but goldie", os dinossauros Iron Maiden a darem um ar da sua graça nesta época, que fica sempre bem.

 

Iron Maiden - Another rock and roll christmas

Autoria e outros dados (tags, etc)

23
Dez13

O melhor de 2013

por rainhadasucata

Inspirada pela malta do sapo, vou então enumerar o melhor de 2013 nas categorias sugeridas. Claro que isto é tudo subjectivo e a minha opinião, são os meus melhores, o que gostei eu gostei mais, não quero saber do que diz o resto do mundo.

Vam' lá ver:

 

1 - Melhor Série - The Walking Dead

 

 

2 - Melhor Filme - Silver Linings Playbook

 

 

3 - Melhor Livro - O Prisioneiro do Céu

 

 

4 - Melhor Viagem - Rio de Janeiro

 

 

5 - Melhor Post

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Dez13

25 Músicas de Natal #21

por rainhadasucata

Descobri esta música ainda agora no facebook, mas gostei muito, portanto veio já direitinha aqui parar.

Eu bem que fazer queixas ao Pai Natal e perguntar "Pai Natal, o que é que eu te fiz de mal?", mas isso fica para outro post ;)

 

Os Azeitonas - Queixa ao Pai Natal

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

20
Dez13

25 Músicas de Natal #20

por rainhadasucata

Em contagem decrescente para o final desta estopada! Estou a pensar numa música assim mesmo espectacular para dia 25 :D

A música do dia é alegre porque hoje alcancei um feito incrível: consegui comprar 90% das prendas de Natal num dia só! 

E é com sotaque espanhol, e é da banda sonora do Glee, que me gusta muchissimo!

 

Glee - Feliz Navidad

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

19
Dez13

25 Músicas de Natal #19

por rainhadasucata

Bom, ainda bem que já estamos quase no Natal que eu já estou a ficar sem ideias.

O vídeo de hoje é do comediante/ventríloquo Jeff Dunham e do seu personagem Achmed, The Dead Terrorist. A miúsica é um original do talentoso comediante e chama-se Jingle Bombs, é muito engraçado.

 

Achmed the Dead Terrorist sings Jingle Bombs

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

18
Dez13

Lisboa revisitada

por rainhadasucata
 

Hoje foi um dia bom. 

Hoje foi dia de passear por Lisboa sozinha.

O pretexto de ter uma entrevista de manhã cedo levou-me finalmente a sair dos subúrbios, onde durmo, e ir passear na minha cidade. Não estava um dia lindo, estava cinzento, mas adorei vê-la mesmo assim.

Tomei o pequeno almoço na recém estreada Padaria Portuguesa da Barata Salgueiro, ali bem pertinho da Avenida da Liberdade. Depois desci a avenida em direcção à Baixa, onde fiz o périplo habitual de Chiado, Rua Augusta, Terreiro do Paço e Cais das Colunas, onde me demorei um pouco a contemplar e a deixar-me emocionar por aquela beleza que hoje estava ali só para mim.

 

Durante todo o percurso fui olhando sempre tudo à minha volta e notando todos os pormenores e as diferenças da cidade em relação à altura em que passava ali quase todos os dias. E senti-me tão bem, mesmo estando ali sozinha, tão feliz só de estar ali que nem sei bem explicar. Mas ao mesmo tempo senti uma tristeza e uma sensação de me estar a despedir de tudo - infelizmente é assim que tenho olhado para os sítios e momentos mais bonitos nesta cidade ultimamente - e pensei que deve ser isto que os estrangeiros acham tão estranho nos portugueses, esta alegria triste, e senti-me tão portuguesa como a calçada que pisava.

Notei também mudanças nesta zona. Estão a transformar a Baixa, principalmente a Av. da Liberdade, naquilo que poderia ser Lisboa como uma qualquer avenida de uma qualquer cidade cosmopolita europeia, ou mesmo mundial. Com as grandes grifes internacionais ali todas reunidas, o cheiro a dinheiro a exalar por entre as portas das lojas, algumas delas guardadas com polícias à porta, um repelente para os pobres. O que não deixa de ser irónico, porque achei também que Lisboa se está a transformar simultaneamente numa cidade de um país de terceiro mundo, a julgar pela quantidade de pessoas a dormir nas ruas e pelas mãos que se nos estendem à nossa passagem. Umas pedem para si, outros pedem para instituições várias de solidariedade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

18
Dez13

25 Músicas de Natal #18

por rainhadasucata

Hoje este post é curto. 

A músca é tradicional, é bonita, um pouco triste, mas quem canta é uma Beyoncé de vestido coleante branco em frente ao que me parece ser o palácio da Disney, tudo coberto de neve e acompanhado ao piano. É de se ver portanto.

 

Beyoncé - Silent Night

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor


Bloglove me

Follow on Bloglovin

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D







Pesquisar

  Pesquisar no Blog